terça-feira, 29 de março de 2011

SP Operação da PF prende 17 por fraude trabalhista

Por: Chico Siqueira

Agentes da Polícia Federal prenderam na manhã desta quinta-feira 17 pessoas - entre elas empresários, líderes sindicais e um delegado do Ministério do Trabalho - acusadas de participar de um esquema de fraudes entre empregadores, empregados e funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na região de São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

A operação, batizada de Tamburutaca, mobiliza mais de 200 agentes em 14 cidades da região para cumprir 44 mandados de busca e apreensão e 18 mandados de prisão. O delegado chefe da PF de Rio Preto, William Marcel Murad, não quis dar detalhes da operação mas confirmou a prisão das 17 pessoas. "Não posso dar informações porque foi decretado sigilo e a divulgação pode atrapalhar o andamento e o sucesso da operação", disse o delegado. "Estão sendo cumpridos 44 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão, sendo duas preventivas e 16 temporárias", disse.


O esquema consistia no pagamento de propinas a fiscais do MTE para livrar as empresas do pagamento de multas por irregularidades trabalhistas. Entre os presos está o delegado regional do MTE em Rio Preto, Robério Caffagni e líderes sindicais, que também participariam do esquema. Ainda pela manhã, agentes da PF prenderam o delegado, que mora em um condomínio de Rio Preto. Ele prestava depoimento no início da tarde na delegacia.

A operação, que é fruto de dois anos de investigações, causou a paralisação do atendimento ao público nas delegacias do Ministério do Trabalho e da Polícia Federal, para onde estão sendo levados documentos fiscais e computadores apreendidos e os acusados. Por isso, segundo a PF, o atendimento e a emissão de passaporte foram suspensos e só devem ser retomados nesta sexta-feira.


Portal Terra

segunda-feira, 28 de março de 2011

Seg. Privada - Operação “Segurança Legal” fecha 5 empresas clandestinas de segurança



A operação “Segurança Legal”, da Delegacia de Controle de Segurança Privada (DELESP) da Superintendência de Polícia Federal do estado de Mato Grosso, resultou no fechamento de cinco empresas clandestinas que prestavam serviço de segurança e vigilância patrimonial privada. Ontem (16.03), a Delegacia identificou uma empresa clandestina de vigilância que prestava serviço em nove postos de combustíveis de Cuiabá e Várzea Grande e seis seguranças que trabalhavam sem as credenciais da DPF. Foram feitos seis Termos Circunstanciados por exercício ilegal da operação.

Durante a operação, foram fiscalizados dezenas de estabelecimentos comerciais, tais como casas noturnas, bares e restaurantes, postos de combustíveis, supermercados, etc. A operação começou nos últimos dias com o encerramento de atividades das empresas ilegais e na lavratura de diversos autos de infração para as empresas autorizadas que apresentaram irregularidades.

As empresas que prestam serviço de segurança e vigilância patrimonial devem ser autorizadas pelo Departamento de Polícia Federal e os vigilantes devem ser credenciados no órgão. Segundo o delegado chefe da Delegacia de Controle de Segurança Privada, Luciano de Azevedo Salgado, os policiais federais que atuam na área continuarão realizando estas fiscalizações na capital e no interior.


Fonte: 24 Horas News

Seg.Eletronica - Chip captura ladrões de apartamento

 
Tablet ajuda polícia a localizar e prender suspeitos de assalto no Rio.

Um computador de mão com rastreador por satélite, conhecido como 'tablet', possibilitou a prisão de dois suspeitos de assaltar uma família, dentro de um apartamento na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, na noite de sexta-feira (25). Segundo a polícia, o computador foi roubado de uma das vítimas, que acionou o satélite após o roubo.

Ainda de acordo com a polícia, os dois suspeitos foram rastreados e presos em um cerco montado por policiais civis e militares em São Conrado, na Zona Sul. Um terceiro integrante da quadrilha, que também participou do roubo, conseguiu fugir.

O assalto foi em prédio de oito andares. Por volta das 19h de sexta, os três homens entraram em um dos apartamentos. O morador estava no banho e não percebeu a presença dos bandidos. "Eles me tiraram do boxe e foram para o meu quarto, perguntando se tinha algum cofre. Eu falei que não tinha cofre, mas que havia algum dinheiro no meu quarto. E disse: Podem levar", contou a vítima.

Os criminosos renderam mãe e filho e começaram a roubar dinheiro e pertences. A ação foi rápida. Na fuga, eles levaram vários objetos, entre eles o 'tablet'. No computador de mão há um dispositivo eletrônico que permite a localização do aparelho por satélite, e que pode ser acionado por um outro computador ou até mesmo pelo celular.

Logo que os bandidos fugiram, a vítima chamou a polícia e, em seguida, usou o próprio celular para rastrear o tablet roubado. O trajeto feito pelos bandidos foi passado em tempo real para policiais civis e militares, que montaram o cerco.

Segundo a polícia, os assaltantes abandonaram o carro na Avenida Niemeyer, em São Conrado. Os dois homens foram presos em flagrante, enquanto o terceiro conseguiu fugir a pé para o Morro do Vidigal. Todos os pertences foram recuperados. A polícia ainda procura o terceiro assaltante.



Fonte: G-1

domingo, 27 de março de 2011

Polícia procura maior traficante da Bahia

Operação de guerra ao tráfico concentra esforços na procura de "Fal"

Lunaé Parracho/AE 
Lunaé Parracho/AE
Cerca de 850 agentes das Polícias Militar e Civil participam da maior operação de guerra ao tráfico e crime organizado (BA)


Publicidade
A polícia está à procura do principal traficante da Bahia, responsável por fornecer drogas para o complexo de bairros do Nordeste de Amaralina. As informações são da Rádio Sociedade

Fagner Souza da Silva, de 30 anos, mais conhecido como "Fal", é possível chefe da organização criminosa baiana CP (Comissão da Paz) com prisão preventida decretada, além de responder a seis inquéritos policiais. Em sua ficha também consta cinco processos por assassinato - inclusive de policiais, assaltos e tráfico de substâncias ilegais.

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), ele é considerado o principal traficante do Estado.

Guerra

A operação de guerra ao tráfico de drogas na Bahia começou a decretar prisões no final da última semana, e envolve 875 policiais civis e militares, em cumprimento a cerca de 30 mandados de prisão relacionados ao tráfico de drogas na região de Amaralina, em Salvador.

Até às 7h deste sábado (26) foram apreendidas sete armas, 160 pedras de crack, 44 papelotes de cocaína, 300g de maconha, além de uma moto, que estava totalmente desmontada. 214 pessoas foram abordadas, além da vistoria de 85 automóveis, 102 motos, 15 táxis e cinco ônibus.

Na sexta-feira (25), 27 pessoas foram conduzidas ao Departamento de Narcóticos (Denarc). Entre eles estavam os traficantes Alan Valentim Pena Tavares, mais conhecido como “Alan Gordo”, e Paulo André de Jesus Costa, ambos tinham mandado de prisão expedido. Um adolescente também foi apreendido. Os demais foram ouvidos, qualificados e liberados.

O balanço final da operação deve ser apresentado nesta segunda-feira (28)

Fonte:/noticias.r7.com

quarta-feira, 23 de março de 2011

Crise: Como administrar?

*NINO RICARDO MEIRELES


Não basta as empresas terem um plano preventivo de segurança, pois ele nunca terá a condição de zerar os riscos. Por mais bem planejado e implementado que seja, ele não tem como ser 100%. Esta realidade nos faz perceber a importância da organização ter um plano de contingência, pois uma emergência ou crise poderá levar a empresa a encerrar as suas atividades, caso não seja bem administrada.

Poderíamos conceituar crise como um fenômeno complexo que tem sua origem em fatores internos e/ou externos à organização, caracterizado por um estado de grande tensão com elevada possibilidade de agravamento e risco de sérios impactos na imagem e na própria sobrevivência da organização.

A crise é um evento que pode ser de cunho criminoso ou não, exigindo uma resposta rápida e específica a fim de assegurar uma solução aceitável, minimizando-se os impactos. Ela, geralmente, é imprevisível e pode ameaçar a integridade física e a vida dos funcionários e das pessoas da comunidade ao redor da empresa. A gravidade da situação exige da empresa uma ação em caráter de urgência e uma postura organizacional não rotineira.
Não podemos esquecer que a crise poderá ser explorada pelos concorrentes. Esta realidade ressalta a importância das atividades de inteligência e de comunicação, havendo necessidade de um segmento pós-crise para neutralizá-la e evitar repetição.

É importante que não confundamos Gerenciamento de Crise com Planejamento de Contingência, pois o primeiro está inserido no segundo. O gerenciamento trata da administração propriamente dita da contingência e utiliza várias equipes, previstas no planejamento.

O Comitê de Crise é o grupo especificamente preparado para administrar o desastre. Ele é composto por: equipe técnica, equipe administrativa, equipe operacional, assistência social e assessoria de imprensa.

O gerenciamento de crises pressupõe a clareza de informações, a ética e a transparência nas ações. Sempre que possível, a empresa deve tornar pública as ações adotadas para evitar as especulações. Esta interface com o ambiente externo à organização é responsabilidade da assessoria de imprensa e deve ser feita com muito critério, pois pode afetar, irreversivelmente, a imagem da empresa.

Deve-se evitar a ocultação dos problemas e procurar esgotar o assunto o mais rápido possível. Durante a emergência, embora se deva suspender a publicidade da empresa para dificultar o desgaste da imagem, é conveniente aproveitar os espaços disponíveis na mídia para divulgar esclarecimentos sobre o assunto.

A resposta à contingência será potencializada mediante a manutenção de uma equipe que tenha a função de prever, projetar e administrar possíveis crises. Mesmo sabendo que não temos a capacidade de antever o futuro, esta política dera à empresa a capacidade de minimizar os impactos. Uma das ações importantes a serem implementadas por esta equipe é a prática de simulações.

É importante salientar que a melhor forma de enfrentar a contingência é o constante acompanhamento dos processos, o monitoramento do segmento do negócio, a atualização de cenários e a manutenção de equipe mobilizada contra eventuais crises. Em conjunto, essas ações facilitam a intervenção em situações de crise e, quase sempre, minimizam as interrupções ou as anormalidades nas atividades corporativas.

 
*Nino Ricardo Meireles é consultor de Segurança Empresarial, palestrante especializado em Segurança e professor universitário.

Site: www.nrm.pro.br



Danos Morais - Marisa é condenada a pagar indenização a consumidora revistada por segurança em MG

Uma consumidora de Minas Gerais vai receber R$ 5 mil da loja de departamentos Marisa após ganhar uma ação de danos morais contra a empresa. A mulher alegou à Justiça que foi revistada pelo segurança após o disparo do alarme antifurto do estabelecimento.
O caso ocorreu em novembro de 2007. A consumidora afirma que depois de pagar os produtos adquiridos, o alarme soou quando ela saia da loja. De acordo com a cliente, ela foi abordada pelo segurança e acusada de furto.

A empresa alega que não houve qualquer tratamento grosseiro e nem revista de pertence. Entretanto, a Justiça de Minas Gerais entendeu que houve danos morais e fixou a indenização.


Fonte: E-Band

Bancos - Falta de segurança em banco gera dano coletivo

Banco deve instalar e exigir que prestador de serviços de segurança cumpra as normas e instale equipamentos de segurança nas agências. Do contrário, poderá ser condenado a pagar indenização por dano moral coletivo por colocar clientes e trabalhadores em risco. Foi o que decidiu a 8ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao condenar o HSBC Bank Brasil a pagar R$ 100 mil por agência irregular, em Ação Civil Pública, ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

A relatora, ministra Dora Maria da Costa, afirmou que as normas de segurança e saúde estabelecidas na Lei 12.971/98 “são estendidas a todos os trabalhadores, empregados ou não”. Ela ressaltou que, naquele caso, o banco foi beneficiário do trabalho dos vigilantes terceirizados. Esclareceu, ainda, que é dever da empresa exigir do trabalhador a observância das normas de segurança e negociar com os proprietários dos imóveis a colocação dos equipamentos de segurança exigidos por lei.

O processo teve origem em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho da 3ª Região (MG). O MPT afirmou que a empresa não havia instalado, em várias agências, dispositivos de segurança visando a proteção de clientes e empregados.

Segundo a Lei mineira 12.971/1998, as agências bancárias deverão ser equipadas com vidros blindados e portas eletrônicas giratórias e fornecer coletes à prova de balas aos vigilantes responsáveis pela segurança do estabelecimento. A lei está fundamentada no artigo 7º, inciso XXII, da Constituição Federal, que dispõe sobre a redução dos riscos inerentes ao trabalho.

De acordo com os autos, a ausência de equipamentos levou o banco a ser condenado ao pagamento de indenização por dano moral coletivo, no valor de R$ 100 mil por agência ou posto de serviço, limitado a R$ 5 milhões. O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) confirmou a sentença, registrando que a instituição bancária se recusou a implantar os dispositivos de segurança estabelecidos na lei estadual. A omissão, segundo o TRT, gerou danos à coletividade dos trabalhadores que devem ser reparados, até mesmo para desestimular a prática de atos daquela natureza.

O HSBC alegou o descabimento das exigências. Sustentou que elas não são da sua obrigação, pois os vigilantes são prestadores de serviços contratados por empresa terceirizada e a instalação dos equipamentos de segurança depende de autorização do dono do imóvel e do código de obras do município. Defendeu que a Ação Civil Pública não pode ter efeito reparatório e pediu a redução da indenização caso a condenação fosse mantida.

O mérito não chegou a ser examinado porque a Turma entendeu que o recurso do banco não satisfazia as exigências legais.

Fonte: Consultor Jurídico

Polícia captura estelionatário que se passava por sargento da Aeronáutica

Por: Núbia Lima


Foi preso em flagrante pela Polícia Militar, o analista de sistemas Paulo Gustavo Sousa Prazeres, 33 anos, morador da Rua Indiana, quadra 34, casa12 – Calhau. A prisão aconteceu por volta das 21h de quarta-feira, 16, na Avenida Litorânea. Paulo é acusado de aplicar vários golpes de estelionato, inclusive nos estados de São Paulo e Ceará; sendo que o último deles ocorreu em São Luís, envolvendo venda ilegal d e veículos e por se passar por membro das Forças Armadas Nacional.

O golpe aplicado pelo acusado foi realizado no dia 11 do mês passado, tendo como vítima o empresário Alex Portugal Parada, morador do Bairro de Fátima, de quem alugou um carro, modelo Siena, cor parta, placa NNE – 3007 (São Luís), pelo período de 18 dias cujas diárias eram no valor de R$ 110. De acordo com o depoimento da vítima, na Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV) – Vila Palmeira, Paulo teria emitido dois cheques no valor de R$ 500 e R$ 1.200, ambos sem fundos; além de fazer um depósito simulado, quando a operação é efetuada por meio de envelopes em caixa bancário, sem a quantia especificada.
Alex Portugal informou, ainda, que no dia da negociação o estelionatário estava vestido com uma farda e apresentou uma carteira de identificação da Aeronáutica, alegando a patente de sargento. Mas segundo o delegado responsável pelo inquérito, Paulo Hertel, ele não faz parte do quadro da Força Nacional. “Acredita-se que tal atitude era para ganhar a confiança da vítima”, ressaltou o delegado. Paulo Gustavo se defendeu da acusação, alegando que o fardamento estava no veículo no momento da locação.
Denúncia – A denúncia de Alex Portugal foi importante para elucidação do caso. Após depoimento, prestado na tarde de quarta-feira, 16, uma blitz da Polícia Militar, no Ipase, localizou o veículo sendo conduzido por Manoel Quaresma Fonseca. De acordo com informação do delegado, Manoel havia comprado o carro de uma pessoa, identificada apenas como “Clayton” que, segundo polícia, é amigo de Paulo Gustavo e que deve ser investigado para averiguar sua participação na prática criminosa.

“Recebemos informações desde dezembro do ano passado sobre a locação de veículos que não eram devolvidos e, posteriormente, acabavam sendo vendidos. Muitas das vítimas não tinham conhecimento do destino dos seus carros, principalmente, por se tratarem de empresas pequenas, que não disponibilizam de serviço de segurança especializado. No casso de Paulo, foi possível fazer a prisão dele por ainda estar negociando diretamente com a vítima, Alex”, explicou o delegado.

Paulo Gustavo Sousa Prazeres foi autuado em flagrante por estelionato e deveria ser conduzido ao Centro de Triagem, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde irá ficar à disposição da Justiça, enquanto será investigada a sua participação em outros crimes de estelionato, tanto no Maranhão quanto em outros estados. De acordo com a polícia, o acusado é filho do ex-prefeito do município de Arari, Benedito Prazeres.

terça-feira, 22 de março de 2011

A LEGALIZAÇÃO DA CLANDESTINA VERGONHA!!!!



A Prefeitura de Ribeirão Pires programa iniciar nas próximas semanas a contratação de policiais militares para trabalhar no município nos horários de folga. Trata-se do programa chamado Atividade Delegada, que, na prática, oficializa os bicos feitos por policiais militares fora do horário de trabalho, com a diferença de que usarão todo o aparato do Estado, de farda a veículos. O projeto já foi aprovado pela Câmara e depende agora de assinatura de convênio entre a administração e a Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Cada policial militar receberá aproximadamente R$ 98 por dia trabalhado fora do expediente. A jornada extra terá, no máximo, nove horas e foi estabelecido limite de até 12 dias adicionais por pessoa. O comandante da Polícia Militar no Grande ABC, coronel José Luís Martins Navarro, explica que a adesão aos bicos será voluntária. "O próprio policial irá decidir se quer ou não trabalhar na folga. Isso não será imposto", garante.

A renda adicional será paga pela Prefeitura. Ou seja, o contribuinte pagará duas vezes pelo trabalho dos policiais militares, que já têm o salário pago pelo Estado. Em São Paulo, o salário inicial de um Polícia Militar que atua em cidades grandes é de R$ 2.170. A jornada é de 12 horas de trabalho e 36 horas de folga.

Na opinião de Navarro, a Atividade Delegada beneficia o município e o policial. "Para a cidade é bom, pois é um aumento no efetivo. Para o policial é um aumento na renda, além de mais segurança para ele, que terá à disposição toda a estrutura da PM. Em um bico externo corre-se muito mais riscos."

O prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PV), informa que pretende contratar 16 policiais militares para aumentar o efetivo no município. O reforço ficará espalhado pela área central, a partir das 14h.


OUTRAS CIDADES

Navarro afirma que está procurando todos os prefeitos da região para oferecer o convênio com a Polícia Militar. O comandante informa que o projeto "está muito bem encaminhado com a Prefeitura de Santo André" e deve ser aprovado em breve.

A Prefeitura de São Caetano informa que não pretende participar do projeto, pois considera grande o efetivo de GCMs (Guardas-Civis Municipais) no município. Diadema informou que o assunto está em discussão por meio do Consórcio. As demais prefeituras não informaram se pretendem adotar a medida.

Para especialista, medida deve ser temporária

O ex-secretário nacional de Segurança Pública José Vicente da Silva Filho afirma não ver problemas na oficialização dos bicos dos policiais militares, desde que a medida seja emergencial e temporária. Silva Filho, que é coronel da reserva da Polícia Militar, considera que se os policiais ganhassem salários melhores não precisariam fazer bicos - dentro ou fora da corporação.

"O ideal seria trabalhar um pouco menos e ganhar um pouco mais. Se o policial ganhasse na faixa de R$ 3.000, ele poderia abrir mão de bicos para descansar e conviver com a família", avalia. Atualmente, um soldado que entra na Polícia Militar trabalhando em cidades grandes recebe R$ 2.170.

O especialista defende a redução da jornada de trabalho de 12 para oito horas. "É desumano para o sujeito ficar 12 horas em pé ou dentro de uma viatura", acrescenta.

Apesar das críticas, Silva Filho admite que o bico dentro da corporação expõe o policial a menos riscos do que as atividades executadas em outros locais. "É um mal menor. Pelo menos ele tem garantias e segurança, e não está fazendo trabalho de leão de chácara. Mas o ideal é que não houvesse esse mal", salienta.

Para ele, não há problemas no efetivo da Polícia Militar. "O número está adequado. O que pode haver são demandas sazonais."

Guardas-civis reclamam do investimento na PM

O presidente do Sindguardas (Sindicato dos Guardas-Civis Municipais Ativos e Inativos de São Caetano, Mauá e Ribeirão Pires), Nilton Taveira, criticou a possível adesão da Prefeitura de Ribeirão Pires ao programa Atividade Delegada. Para Taveira, o convênio a ser firmado entre as administrações é "imoral".

"O governo do Estado já paga salário para os policiais militares. O que a Prefeitura de Ribeirão Pires precisa fazer é investir e valorizar a GCM (Guarda-Civil Municipal), que é do município."

O salário de um guarda-civil de Ribeirão Pires é de cerca de R$ 850. O policial militar que aderir à Atividade Delegada poderá receber até R$ 1.176 por 12 dias trabalhados.

O ex-secretário nacional de Segurança Pública José Vicente da Silva Filho discorda da ideia de aumentar os investimentos na GCM. "Sem desmerecimento, mas a GCM não tem poder de polícia. A Constituição não lhe dá esse poder, então não pode fazer trabalho de policial. A Constituição diz quais são os órgãos policiais do País, e não chega na GCM", diz o coronel da reserva.

Fonte: Diário do Grande ABC

Você é importante nesta luta!!!!

Blindagem - Limusine de Obama é um verdadeiro tanque de guerra

Rio - As limusines Cadillac utilizadas para transportar o presidente Barack Obama já estão no País e guardados em bases militares brasileiras. Tanto o carro utilizado pelo presidente quanto os da comitiva são idênticos, a fim de evitar que se saiba em que veículo o presidente está sendo transportado. O carrão é um verdadeiro tanque de guerra. Fabricado pela General Motors, é totalmente blindado para suportar até mesmo ataques de mísseis e armas químicas.

São inúmeros os equipamentos de comunicação e de segurança, tais como sistema contra incêndio no porta-malas, sistema interno de computador com wi-fi e conexões via satélite, equipamentos de defesa e os pneus blindados com Kevlar, fibra sintética sete vezes mais resistente que o aço. Ao custo de 300 mil euros, estima-se que o carro foi construído em cima de uma plataforma de caminhão (algo como uma F-4000) para suportar o peso da blindagem.


Fonte: O Dia On-line

segunda-feira, 14 de março de 2011

Seg.Empresarial - Revista por furto de "pen-drive".

TRT3 - Sumiço de pen drive não justifica revista íntima

Publicado em 10 de Março de 2011 às 11h09

Analisando o caso de uma trabalhadora que pediu indenização e a rescisão indireta do seu contrato de trabalho, por ter sido submetida a revista íntima abusiva após o sumiço de um pen drive com dados da empresa, a 7a Turma do TRT-MG entendeu que a reclamante tem razão. Considerando a gravidade do ato, os julgadores mantiveram a decisão de 1o Grau que declarou o término do contrato, por culpa da empregadora, e condenou a reclamada ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$10.000,00 (dez mil reais).

A trabalhadora alegou que foi admitida como ajudante de cozinha, em agosto de 2009 e, no dia 1o de junho de 2010, juntamente com os demais empregados, foi submetida à revista íntima, por causa do desaparecimento de um pen drive que era usado por um empregado do estoque. De acordo com a reclamante, após a suspeita de furto, os trabalhadores foram separados em duas salas, onde, despidos, passaram a ser revistados por um empregado do mesmo sexo. A reclamada, por sua vez, não negou que a revista tenha sido realizada, ressaltando, inclusive, que o ato foi necessário, em razão do extravio de um equipamento eletrônico que continha vários dados importantes e sigilosos da empresa. Mas assegurou que não houve excesso, tendo agido nos limites de seu poder de fiscalizar.

No entanto, no entender da juíza convocada Maristela Íris da Silva Malheiros, não foi isso o que ficou demonstrado no processo, já que todas as testemunhas confirmaram que os empregados foram obrigados a se despir. Os homens ficaram totalmente nus e as mulheres permaneceram apenas com as roupas íntimas. Nesse contexto, não há dúvida de que ocorreu exposição de partes do corpo da reclamante. Além disso, as testemunhas informaram que havia uma janela de vidro no local, sendo possível que o interior fosse visto por quem estava de fora. Para a magistrada, a revista foi abusiva e excessiva, pois os empregados foram colocados sob suspeita, sem qualquer tipo de investigação prévia a respeito do desaparecimento do objeto. O empregador pode, sim, utilizar de medidas necessárias para proteger o seu patrimônio. Isso faz parte do seu direito de propriedade. Entretanto, não pode abusar desse direito.

A juíza convocada destacou que o respeito à dignidade da pessoa humana, um dos fundamentos da Constituição da República, deve ser sempre assegurado. Deste modo, não se pode admitir que, em nome do poder diretivo e fiscalizador que a lei confere ao empregador e da subordinação decorrente da relação de emprego, venha o patrão submeter seus empregados a revista íntima de forma primitiva e humilhante, mormente nos dias atuais em que a tecnologia disponibiliza ao consumidor meios de fiscalização e de vigilância de ambientes de forma eficaz, sem constranger tanto as pessoas vigiadas como ocorre nas revistas íntimas e pessoais, frisou.

A magistrada considerou que ocorreu a prática de atos ofensivos e de tratamento com rigor excessivo, de forma a caracterizar a falta do empregador, prevista no artigo 483, "b" e "e". Por essa razão, a sentença foi mantida.

Processo(RO nº 00509-2010-088-03-00-5)


Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região

Riscos - Ferramentas auxiliam organizações no gerenciamento de riscos

Todas as atividades de uma organização envolvem riscos que devem ser gerenciados. Como parte desse processo é necessário identificar as condições perigosas de um determinado local, de um projeto, de um equipamento ou mesmo de uma tarefa e entender os riscos associados em termos de probabilidade e de consequência. Para que isso seja possível, há diversas ferramentas disponíveis de análise de risco, cada qual voltada para uma aplicação específica e que ajudam as organizações nessa etapa do gerenciamento.

Associado a essas ferramentas, há métodos de valoração de riscos divididos em três categorias principais: métodos qualitativos; métodos semiquantitativos e métodos quantitativos. As definições a seguir estão alinhadas com a norma IEC/ISO 31010:2009 (Risk management - Risk assessment techniques).

Os métodos qualitativos de valoração de risco classificam/qualificam o risco dentro de grupos pré-estabelecidos. Como exemplo, o risco pode ser considerado "baixo", "médio" ou "alto". Contudo, pode haver vários riscos enquadrados no grupo chamado de "baixo" e, nesse caso, não há qualquer escala ou número que indique qual deles é o "menor" ou o "maior", dentro desse mesmo grupo "baixo". O Quadro 1, Métodos qualitativos, exemplifica essa categoria.

Os métodos semiquantitativos de valoração de risco também classificam/qualificam o risco dentro de grupos pré-definidos, porém é possível estabelecer uma priorização dos riscos dentro de cada grupo. Isso é feito usualmente por meio de uma escala numérica que define, para uma mesma categoria de risco (por exemplo, "riscos médios"), qual é o "menor" e qual é o "maior". Nesse tipo de método aparecem as conhecidas "tabelas de priorização" ou "matrizes de risco", que usualmente têm entre três e cinco colunas para definições de probabilidade e mais três a cinco colunas para definições de consequência (ou severidade). Para cada definição de probabilidade e de consequência, está associada uma escala numérica, que ajuda a situá-la dentro de um determinado grupo. Nesse tipo de método de valoração do risco, a prioridade é obtida na interseção de uma das colunas com uma das linhas, e pode ser expressa tanto em termos numéricos, quanto por meio de um adjetivo (como por exemplo, "marginal", "crítico", "catastrófico", etc). Muitas empresas fazem o uso de cores diferentes para as priorizações de risco, de modo a chamar mais a atenção para as classes de risco enquadradas em zonas críticas. A Tabela 1, Métodos semiquantitativos, ilustra esse conceito.

Os métodos quantitativos de valoração de risco calculam o risco, diferentemente dos métodos semiquantitativos, que apenas priorizam o risco baseado em uma escala pré-determinada. Para se calcular o risco (por meio da probabilidade e da consequência), são usados modelos matemáticos e pode ser necessária a utilização de softwares especializados.

A escolha do método de valoração do risco dependerá do propósito da análise, da disponibilidade de dados confiáveis e das necessidades de tomada de decisão da organização. Em alguns casos, a escolha é determinada pela própria legislação ou por um órgão governamental de controle e de fiscalização, e, normalmente, está associado à ferramenta de análise de risco mais indicada para um determinado tipo de análise requerida.

Fonte: Revista Proteção

domingo, 13 de março de 2011

Japão teme nova explosão em usina nuclear

 

Pessoa na maca é levada para hospital enquanto militares medem níveis de radiação (Fonte: BBC)

 

Segundo o governo, a usina nuclear de Fukushima pode aguentar o impacto de uma segunda explosão e sem danificar o reator

A usina nuclear de Fukushima pode aguentar o impacto de uma segunda explosão e sem danificar o reator, afirmou o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano. “Não podemos confirmar nada ainda. Mas supomos que ocorreu um derretimento e que as medidas já estão sendo tomadas. Também há a possibilidade de que tenha ocorrido um derretimento dentro do terceiro reator.”

Engenheiros tentaram resfriar o centro de um dos restores com água do mar, mas a operação não obteve sucesso. Segundo eles, a cobertura de concreto é forte o bastante para aguentar uma explosão e que é improvável que ocorra um derretimento no reator 3 — o que seria mais sério, de acordo com o correspondente da BBC em Tóquio Chris Hogg, pois este reator tem urânio e plutânio, ao contrário do outro reator danificado, que era abastecido apenas com urânio.

A Companhia Elétrica de Tóquio (Tepco), operadora da usina, afirmou que os níveis de radiação nos arredores aumentaram acima dos limites permitidos. O governo já retirou mais de 170 mil pessoas e dobrou a área de evacuação dos moradores, de um raio de dez para 20 quilômetros em volta de Fukushima. Pelo menos 19 pessoas estão recebendo tratamento devido aos efeitos da exposição à radiação.

Em Miyagu, a polícia do Japão informou que o número de mortos pode passar dos dez mil. A província costeira foi atingida pelo terremoto de 8,9 de magnitude e pelo tsunami na tarde da última sexta-feira, 11. O governo japonês anunciou que vai duplicar para 100 mil o número de soldados nas operaçõs de resgate.

sábado, 12 de março de 2011

Facebook e ONG britânica criam serviço para evitar suicídios


Internautas podem comunicar sua preocupação com outros usuários, por meio de um formulário dentro da Central de Ajuda da rede social




Alamy
Segundo informações do jornal The Guardian, a ONG britânica The Samaritans e o Facebook se uniram para criar um sistema de alerta de suicídios. A ideia é que os usuários avisem a equipe do site sobre amigos que possam estar pensando em tirar a própria vida.

A ferramenta se baseia em um formulário, localizado na Central de Ajuda do Facebook, que pode ser preenchido por qualquer pessoa que queira comunicar sua preocupação sobre outros usuários que possam cometer suicídio. É necessário dizer o nome do amigo, detalhes de sua página e até indicar algumas mensagens que possam parecer suspeitas.

A partir daí, o formulário é enviado para a equipe da rede social, que analisa se é preciso acionar ou não a Polícia imediatamente. Caso o Facebook não ache necessário uma intervenção drástica, os dados do possível suicida são enviados à ONG, que entrará em contato com o internauta para ajudá-lo.

A Samaritans também está usando a rede social para realizar uma campanha que ensina as pessoas a ficarem atentas a sinais de um possível suicídio e dar suporte aos amigos que estejam sofrendo de depressão.

De acordo com Catherine Johnstone, presidente-executiva da ONG, a instituição está se aproveitando da popularidade do Facebook e do poder da amizade entre as pessoas para promover ajuda. “Ninguém melhor que um amigo para saber se a pessoa está lutando contra um sentimento suicida”, disse.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br

quinta-feira, 10 de março de 2011

O Brasil na Biblioteca Digital Mundial

 


A Biblioteca Digital Mundial contém manuscritos, 

mapas, livros raros e até partituras

 

Os arquivos sobre o Brasil na Biblioteca Digital Mundial revelam fatos inusitados da história do país, muitas vezes desconhecidos do grande público. Por Hugo Souza

 
 
Está na rede um verdadeiro baú do tesouro para quem gosta de garimpar informações históricas e curiosidades que não cabem nos livros didáticos ou que passam ao largo da pauta da mídia de massa. Trata-se da Biblioteca Digital Mundial (http://www.wdl.org), desenvolvida pela Biblioteca do Congresso dos EUA com apoio da Unesco, recursos de uma série de empresas e fundações privadas, como a Google e a Microsoft, e contribuições de várias instituições culturais de todo o mundo, das maiores bibliotecas da Europa ao Arquivo Nacional do Haiti, passando pela Biblioteca Nacional do Brasil. 

São manuscritos, mapas, livros raros, gravações, filmes, gravuras, fotografias, desenhos arquitetônicos e até partituras. Todos os itens são acompanhados por textos explicativos e podem ser pesquisados pelos usuários por lugar, período, tema, tipo de mídia e instituição cedente do material, ou podem ser localizados simplesmente por meio de um bom e velho formulário de pesquisa. Tudo gratuito e em sete idiomas diferentes.

‘Prosperidade da Companhia das Índias Ocidentais’

A Biblioteca Digital Mundial disponibiliza 143 documentos sobre o nosso país. São preciosidades como um mapa detalhado do Império do Brasil datado de 1873 e desenhado pelo engenheiro militar Conrado Jacob Niemeyer, que construiu com seus próprios recursos a estrada que leva seu nome ligando os bairros cariocas do Leblon e de São Conrado, assim batizado por causa da igrejinha de São Conrado, também construída pelo intrépido coronel.

Chama também a atenção algumas das fotografias da coleção de mais de 20 mil imagens reunidas por Dom Pedro II e doadas à Biblioteca Nacional. Uma delas mostra uma parada no Largo do Paço Imperial, no centro do Rio, por ocasião do casamento da princesa Isabel com o Conde d’Eu, celebrado em 15 de outubro de 1864.
Outra raridade é um folheto de 1642 intitulado “Prosperidade da Companhia das Índias Ocidentais”, contendo uma série de propostas para aumentar os lucros e os dividendos dos acionistas da companhia, sobretudo na colônia que os holandeses mantiveram no nordeste brasileiro entre os anos de 1624 e 1654, abordando o comércio do principal produto da colônia, o açúcar, o financiamento da força militar da Companhia das Índias Ocidentais e mencionando uma série de questões relacionadas à escravidão.

A natureza brasileira segundo Theodore Roosevelt

Os arquivos sobre o Brasil na Biblioteca Digital Mundial revelam fatos inusitados da história do país, muitas vezes desconhecidos do grande público. Entre esses fatos e curiosidades estão as aventuras de ninguém menos do que o ex-presidente norte-americano Theodore Roosevelt pelo interior do Brasil na companhia do célebre explorador Cândido Rondom.

Depois de não conseguir se reeleger para um terceiro mandato à frente da Casa Branca, Roosevelt planejou uma viagem ao Brasil. Ao saber do interesse do ex-presidente dos EUA por desbravar os trópicos, o governo brasileiro da época, chefiado por Hermes da Fonseca, convidou-o para se juntar a Rondom em uma expedição para desbravar o Rio da Dúvida. A aventura de Roosevelt nas florestas brasileiras só terminou no dia 27 de fevereiro de 1914, depois de o estadista chegar a ficar gravemente doente.
 
Toda a expedição está documentada no livro “Através da natureza brasileira”, escrito pelo gringo mais do que ilustre e ilustrado com fotografias do seu filho, Kermit. E o Rio da Dúvida, que nasce em Rondônia e deságua no Rio Madeira, é hoje chamado de Rio Roosevelt. 
 
 Fonte:opiniaoenoticia.com.br

quarta-feira, 9 de março de 2011

* Publicado em 06/03/2011 É carnaval, mas o mundo segue girando


É Carnaval, mas nem por isso o mundo está parado, muito pelo contrário. Os fatos acontecem com uma velocidade espantosa, como no caso da Líbia, onde não será surpresa se o governo Barack Obama decidir algum tipo de intervenção militar seja via Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Organização das Nações Unidas (ONU) ou mesmo por conta própria.

O pretexto poderá ser o de evitar a continuação do banho de sangue que ocorre no país árabe, mas cujas informações são bastante contraditórias e as armas utilizadas pelo Estado foram adquiridas no Ocidente. Na verdade, os Estados Unidos pouco se importam se direitos humanos são ou não respeitados nos países vinculados a Washington. Mas quando o país não está nos conformes, haja vista o Irã, ou mesmo a Líbia sob o comando do “ex-regenerado” Muammar Khadafi, a história muda.

A propósito, o Ministério do Interior saudita advertiu que empregará as forças de segurança para reprimir quem tentar alterar ou infringir o sistema. Em outras palavras: a monarquia amiga de Washington já autorizou a polícia a reprimir qualquer manifestação popular. Trocando em miúdos: as autoridades já devem ter detectado descontentamento popular e estão preparados para matar quem ousar protestar. Se amanhã acontecer alguma mobilização dos xiitas, que sofrem restrições em sua cidadania e são explorados ao extremo no trabalho com jornadas de até 12 horas, e a monarquia mostrar como mantém a sua autoridade, como reagirá o governo Barack Obama? Não é difícil prever. Vai se comportar como no início das manifestações no Egito contra Mubarak.

Khadafi, por mais que costeasse o alambrado nos últimos oito anos, nunca caiu totalmente nas graças do Ocidente. Mas que ele se esforçou ao máximo, fazendo concessões atrás de concessões, se associando com empresas multinacionais petrolíferas e outros babados, isso não há dúvidas.

Os EUA não querem mais saber de concessões de Khadafi, pois agora estão sequiosos pelo petróleo de alta qualidade da Líbia. Já começaram a colocar pretextos para uma eventual intervenção militar. Mas tanto Barack Obama como a secretária de Estado Hillary Clinton não conseguem convencer, a não ser os aliados de sempre, sobretudo a Grã-Bretanha de David Cameron, na retórica de defesa dos direitos humanos.

A diferença em relação ao período George W. Bush é que Barack Obama vai pensar duas vezes antes de agir, porque os Estados Unidos estão encalacrados no Iraque e Afeganistão. Abrir uma nova frente neste momento apesar do interesse no petróleo líbio pode ser complicado, embora o pessoal do complexo industrial militar não pense assim.
Corre sangue na Líbia, resta saber em que grau, mas uma intervenção estrangeira poderá aumentar a gravidade da situação e o número de vítimas dos confrontos. Pode essa intervenção até prolongar a era Khadafi.

Por outro lado há detalhes nebulosos nos fatos que se sucedem no país árabe, como, por exemplo, a acusação sobre a existência de um muito atuante movimento insurrecional em Benghazi, a Frente Nacional para a Salvação da Líbia, organizada e financiada pela Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA).

Claro que o governo dos EUA vai desmentir. Como as informações procedentes da Líbia são a cada momento mais desencontradas fica difícil chegar à conclusão de quem é quem nos confrontos. E essa dúvida poderá persistir durante muito tempo, só sendo esclarecida, como em outros acontecimentos do gênero, muito tempo depois, quando os arquivos implacáveis estadunidenses e de outros países europeus  forem tornados públicos.  Os fatos não são tão simples assim e estão sujeitos à manipulação da informação.
Nesta altura, fica valendo a proposta do Presidente Hugo Chávez, já aceita por Khadafi,  de formação de uma Comissão internacional para inspecionar a Líbia e a partir daí chegar a uma conclusão sobre o que de fato acontece. Depois disso tomar as medidas que forem necessárias.

Ouvir os dois lados é uma condição importante para evitar que apareça uma verdade que posteriormente possa ser colocada em dúvida. Ainda mais agora depois que oficiais do Estado Maior da Rússia informaram que monitoravam por satélite o espaço aéreo da Líbia e não constataram ataques aéreos a Tripolil ou Benghazi, como foi noticiado no último dia 22 de fevereiro em todo o mundo. Esta informação na verdade faz lembrar o Iraque naquela história das armas de destruição em massa.

A propósito de arquivos implacáveis, na semana que passou na Argentina dois ex-ditadores, Jorge Rafael Videla e Reynaldo Bignone, mais uma vez sentaram-se no banco dos réus.  Desta vez para responderem sobre roubo de 34 crianças separadas violentamente das mães presas políticas e assassinadas.

A história, como sempre, dá voltas. Os dois referidos facínoras, já condenados por outras violações dos direitos humanos estão respondendo processo graças a dois deputados, Juan Cabandié, do Partido Justicialista vinculado a Kirchner, e Victoria Donda, do Congresso da Nação, agrupamento político mais a esquerda. Ambos foram retirados dos braços de suas mães e entregues às famílias de pessoas vinculadas à repressão.

Anos depois, graças as Avós e Mães da Praça de Maio, suas verdadeiras origens foram descobertas. Os dois engajaram-se na política. Foram eleitos parlamentares e decidiram exigir que Videla e Bignone respondessem na Justiça pelo que fizeram. Ou seja, trata-se de um processo não apenas da mais alta relevância como de grande valor simbólico. Juan e Victoria na prática estão reverenciando as mães assassinadas pela repressão de responsabilidade de generais facínoras.

/www.diretodaredacao.com

Blindagem também não afeta as condições de dirigibilidade

07/03/11





Veículo blindados carregaram por muito tempo a fama de serem lentos, desaconchegantes e extremamente pesados.

Entretanto, os especialistas afirmam que isso faz parte do passado, uma vez que com a tecnologia hoje disponível é possível ter uma carro à prova de balas e ao mesmo tempo confortável, ágil e sem que seu desempenho seja prejudicado.

Além disso, esqueça a máxima de que somente carros de luxo podem passar pelo processo.

A indicação é que aqueles com motor acima de 90 cavalos de potência, independente do modelo e se é utilizado para o passeio ou para o trabalho, podem ser blindados.

Já para os que querem ter um automóvel capaz de suportar avarias dignas de uma guerra, mas não abrem mão da discrição, atenção:

Mesmo forte como um escudo, esteticamente as mudanças no automóvel são praticamente imperceptíveis aos olhos alheios. Além disso, a blindagem também não afeta as condições de dirigibilidade

"O tempo para o trabalho ser realizado é aproximadamente trinta dias", afirma , Marcos Paulo Cossmann., gerente comercial de uma empresa especializada no ramo, em Curitiba.

O público que geralmente busca a blindagem automotiva é composto por pessoas que possuem uma boa renda e que se sentem ameaçados ou desprotegidos em seu dia a dia no trânsito.


Segundo Cossmann, médicos, empresários e executivos são os clientes mais comuns, dentre os quais, se encontram até mesmo vários maringaenses.
Sobre os níveis de blindagem
  • Os vidros de uma blindagem de nível "II" possuem 17 mm; o processo é feito com vidro aço e aramida e pesa de 90 a 120 quilos.
  • O nível "III-A" cujos vidros têm 21 mm de espessura é mais resistente e o peso adicionado varia entre 120 e 240 quilos.
  • A espessura dos vidros do nível "III" é de 42 mm e resiste a tiros de Fuzil FAL 15. O peso adicionado nesse caso vai de 300 a 450 quilos.
  • Veículos de pequeno, médio, ou grande porte podem passar pelos processos de blindagem.
Processos
Existem dois processos de blindagem: o opaco e o transparente. O primeiro é composto por fibras leves de aramidas em conjunto com aços balísticos e é direcionado ao habitáculo do veículo, teto solar, pneus e baterias. Vale ressaltar que as rodas também são preparadas para possibilitar a rodagem dos pneus, mesmo se eles estiverem furados. Em contrapartida, o processo transparente é responsável por assegurar a integridade dos vidros, deixando-os resistentes e impedindo que se estilhacem. A visão do motorista, entretanto, não pode ser prejudicada.


Fonte: odiario.com

terça-feira, 1 de março de 2011

Força Nacional é enviada à Paraíba em razão de greve de policiais

  • Policiais entram em greve na Paraíba   
  •  
  • Policiais entram em greve na Paraíba


O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou nesta terça-feira (1º) o envio de tropas da Força Nacional de Segurança Pública para a Paraíba, após pedido feito pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), em razão da greve das polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e Agentes Penitenciários no Estado.

As tropas federais ficarão no Estado até o término da greve dos cerca de 15 mil servidores da segurança pública paraibana. Os policiais embarcam nesta quarta-feira (2) para João Pessoa.

A paralisação atinge policiais civis, policiais militares, bombeiros militares e agentes penitenciários do Estado. A diretoria da seccional da Paraíba da Ordem dos Advogados do Brasil encaminhou hoje ofício ao governador solicitando uma audiência para discutir a solução da greve. "Primeiro vamos manter o contato com governo, sentir a receptividade de nossa proposta e em caso positivo, iniciaremos o processo de negociação para solucionar este problema que é muito sério", afirmou o presidente da Ordem, Odon Bezerra.

Segundo informações do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Estado, o tenente Marcilio Braz, presidente da Associação de Cabos e Soldados, confirmou que a greve da Polícia Militar deve respeitar o efetivo de 30% nas ruas, assim como a Polícia Civil e os Agentes Penitenciários. Já delegados, agentes, escrivães, peritos e servidores devem parar totalmente por três dias.

Segundo o Ministério da Justiça, o efetivo da Força Nacional enviado ao Estado não será divulgado por questões de segurança. De acordo com o Sindepol (Sindicato dos Delegados da Polícia Civil) da Paraíba, mais de 2.000 policiais militares e civis participaram da assembleia geral que decidiu pela greve nesta segunda (28). Isso porque o governo pediu um prazo de 15 dias para apresentar uma proposta concreta, depois de ter decidido rever a chamada PEC 300, que já previa um reajuste.

Antes da assembleia, houve uma reunião com membros da administração na qual foi proposta a formação de uma comissão em caráter permanente que seria formada por representantes do governo e de membros das entidades representativas dos policiais e agentes penitenciários, com o objetivo de discutir questões relativas às categorias, inclusive o reajuste salarial e as melhores condições de trabalho.

O grupo reivindica reajuste salarial e deve permanecer em paralisação por tempo indeterminado, conforme foi decidido em assembleia. Hoje, durante a quinta reunião entre representantes do governo da Paraíba e das polícias Civil e Militar do Estado, foi elaborada uma contraproposta da categoria policial à proposta apresentada ontem (28) pelo governo. O govervo se comprometeu a avaliar os pontos apresentados pelos representantes e discutir saídas para as reivindicações dos policiais.

*Com informações da Agência Brasil

Do UOL Notícias
Em São Paulo 

TI - Cibercrime: Conheça as maiores ameaças de 2011



Estudo de empresa de segurança aponta que crescerão os ataques contra redes sociais e smartphones; pendrives também serão explorados.

Software apenas não basta para proteção na internet. Uma boa dose de bom senso – por mais arriscado que seja o emprego de tal termo – e uma avaliação sobre as implicações de determinada açõesna web são altamente indicados. É o que afirma um relatório de segurança da Sophos.
 
Em 2010, 95 mil ocorrências de malware chegaram à Sophos, o equivalente a uma infecção a cada 0,9 segundos. O número é alarmante, pois é quase o dobro do registrado em 2009.
 
Possivelmente isso reflite o crescimento em importância registrado pela tecnologia na vida das pessoas que ocorreu em 2010. Houve a chegada definitiva dos tablets ao mercado e os smartphones ganharam mais espaço.
 
Spam em redes sociais
A dinâmica de comunicação praticada nas redes sociais, com mensagens de todos os tipos, também mudou a forma de atuação dos cibercriminosos. Eles se valem de táticas que seduzem a curiosidade e se aproveitam da inocência dos usuários para disseminar suas intenções. E, como era de se esperar, os criminosos digitais agora estão concentrados em usar as plataformas sociais e móveis.
 
67% dos entrevistados pela Sophos afirmaram já ter recebido spam distribuído por meio de plataformas sociais virtuais ou em seus smartphones. Em 2009, esse número não chegou à metade. Na perspectiva das corporações, tal informação reforça o temor referente à segurança das redes internas. Isso ficou evidente em 59% das repostas das corporações.
 
Facebook
No Facebook, por exemplo, a maior ameaça é a oferecida pelo sequestro de cliques (clickjacking). Por trás de um link inocente, muitas vezes, escondem-se outros conteúdos – de indesejados a perigosos. Basta “curtir” um link desses sem saber direito do que se trata para agir como fonte para disseminação de pragas virtuais.
 
Cada vez que um clique promete algo em retorno, cabe usar cautela dobrada. Ser cético com relação a tal tipo de oferta é o primeiro passo para não ter surpresas desagradáveis. O mesmo vale para os comentários sobre determinados links e/ou imagens.
 
Desnecessário dizer, mas importante lembrar: jamais reparta qualquer tipo de informação pessoal com que não conhece. De acordo com o levantamento da empresa, 57% das empresa “acham” que seus colaboradores se comportam de forma adequada no sites de relacionamento – mas certeza disso nenhuma delas tem. Em consequência a isso, mais da metade das companhias admitiu limitar o acesso a esses sites a partir de terminais internos, ao passo que um quarto de todas as empresas respondentes confirmou bloquear totalmente o acesso a Facebook, Twitter e cia.
 
Senhas
Ainda de acordo com o estudo da Sohos, ataques a bancos de senhas em servidores externos e nas próprias máquinas dos usuários deverá ser um marco para 2011. Mesmo usuários cientes da necessidade de escolher senhas difíceis correm perigo.
 
O principal inimigo dessa informação é são os pendrives. Se o Conficker e o Stuxnet mostraram como é possível infectar um PC com mídias removíveis, mesmo com as configurações de auto-reprodução desativadas no sistema, são esperados vários malwares com a mesma função de roubo de senhas.
 
Web
Ainda assim, o campeão absoluto de todas infecções continuará sendo a internet – seja por meio de e-mails, de phishing ou páginas HTML infectadas.
 
Os desafios que se apresentam aos especialistas de TI são enormes. Eles precisam estar atentos às novas ameaças, enquanto mantém um olho aberto à porosidade de suas redes, causada pela exploração movida a curiosidade dos funcionários com acesso a internet.
 

Fonte: IDG Now