quarta-feira, 28 de abril de 2010

Palestra Segurança Corporativa



Segurança Corporativa

Segurança Corporativa é o conjunto de práticas e medidas voltadas para a salvaguarda de conhecimentos e de dados de uma organização, protegendo-os contra uso inadequado, adulteração ou destruição. Seus principais objetivos são prevenir, obstruir, detectar e neutralizar a inteligência adversa.

• Tenham uma Política de Segurança que reflita o pensamento da alta administração e Normas que a complementem.

É necessário que toda organização tenha sua política de segurança, e esta seja levada a sério; É bom frisar que a informação corporativa é de uso exclusivo e restrito da organização não devendo, ser compartilhada de forma proposital ou não por qualquer colaborador que não esteja autorizado para isso.
Rescisão contratual x justa causa
Artigo 482, CLT - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:
G ) violação do segredo de empresa
Com isso é bom conhecer e acatar, as recomendações de segurança da sua empresa.

• Definam que conhecimentos devem ser protegidos.

A seleção de informações devem ser feitas juntamente com a direção da empresa, ela quem determina o que se pode e o que se deve ser de conhecimento comum, intermediário e restrito.

• Classifiquem documentos e materiais em graus de sigilo, conforme a legislação brasileira e normas internas.

Informação comum: de conhecimento de todos e pode ser divulgada sem restrições, ex: a empresa “X” esta atenta a responsabilidade social e já esta implantando projetos voltados para isso.

Informação intermediária: de conhecimento apenas de alguns níveis de hierarquia, ex: percentuais de desconto, novos produtos, promoções ainda não implantadas,etc.

Informação restrita; de conhecimento exclusivo aos diretores ou a pessoas de estrita confiança, ex: ganhos reais da empresa, projetos, contratos, estratégias,acessos, etc.

• Revejam periodicamente normas, procedimentos e necessidades de proteção.

Toda a segurança sempre será dinâmica, isto facilitará a manutenção do grau de satisfação dela,lhe proporcionando assim melhor condição de gerenciá-la

• Estabeleçam a proteção de conhecimentos sensíveis como função de todos na instituição, dando-lhes ciência de normas, treinando-os para os procedimentos adequados e sensibilizando-os para a necessidade de proteção, de maneira que conheçam suas responsabilidades e estejam aptos a cumpri-las.

Educação de segurança sempre será o maior ponto de controle de toda política de segurança corporativa,e constantemente deve ser lembrada pelos agentes de segurança.

• Façam, periodicamente, cópias de segurança (backups) dos arquivos e guardem-nas em local seguro e afastado dos computadores com os arquivos em uso.

Ter um banco de dados atualizado e de reserva é sempre bom, útil e seguro.

Informações são sempre a melhor ferramenta de trabalho e de escolha de seus clientes...



Este é um pequeno conteúdo da palestra segurança corporativa, que pode ser ministrada em sua empresa, para isso faça contato atraves das opções abaixo:


Elder dos Anjos
GSM 79 9129 5358
elderanjos@gmail.com

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Sergipe não precisa de uma Usina Nuclear.


A Assembleia Legislativa de Sergipe promoveu, na manhã desta quinta-feira (15), uma palestra com um especialista em energia nuclear, o médico cancerologista William Eduardo Nogueira Soares, que marcou uma posição totalmente contrária a possível instalação de uma usina nuclear em Sergipe. O especialista disse que trata-se de um assunto palpitante e de grande interesse mundial, mas ressaltou que sua conduta não tem qualquer envolvimento político e que, apesar de manter laços de amizades e familiares com alguns parlamentares, não tem filiação partidária e que faz sua exposição com caráter exclusivamente técnico.


A palestra de William Eduardo Nogueira atende a uma indicação da deputada estadual Ana Lúcia (PT). O palestrante é um médico que trabalha com radiação há mais de 30 anos, um especialista em radioterapia e foi aluno de um dos maiores físicos brasileiros: José Adelino Pereira. Fez sua especialização no Hospital do Câncer de São Paulo e trabalha no setor de radioterapia do Hospital João Alves Filho. "O tema de minha palestra é: Energia Nuclear e outras alternativas energéticas".


Ao iniciar sua exposição, Dr. William explicou para os parlamentares sobre o que é a energia nuclear, qual o seu potencial e como ela é produzida. "A energia nuclear pode ser usada em caráter bélico, lembrando que 1 kg dela tem energia semelhante a 20 mil toneladas de dinamite; e pode ser usada em caráter pacífico, como na radioterapia e na medicina nuclear, por exemplo. O princípio de sua produção é o mesmo que produz a energia cinética que provocou a revolução industrial. É necessária uma caldeira com água, que será transformada em vapor. A água é aquecida e o vapor vai movimentar o pistão, movimentando a roda que produzia a energia necessária para as máquinas da época", explicou.


Em seguida, o médico disse que "é aqui que acontece o grande problema: quando a água fica sob pressão para não evaporar. O vapor movimenta uma turbina que movimenta um gerador que produz a eletricidade a ser é utilizada. A usina nuclear depende de água para a produção de vapor e para o resfriamento do circuito primário e secundário. Mesmo essa água condensando ainda há uma evaporação grande de vapor que contribui para o aquecimento global", acrescentou.


Vantagens

Como vantagens da Usina Nuclear, o médicos citou as teses dos grandes defensores do aproveitamento da energia. "Patrick Moore (também conhecido como lobista da indústria nuclear ou Eco-Judas) é um consultor canadense, que foi um dos fundadores do Greenpeace. Era contrário a adesão desta energia, até ser contratado por um dos maiores grupos de energia nuclear. Hoje ele mudou de lado e agora é a favor. Dizem que a energia é limpa porque não emite gases do efeito estufa; é uma fonte de energia barata; não polui; tem flexibilidade na localização das usinas; não depende de fatores meteorológicos para o seu funcionamento".


"Mas tudo isso não é bem verdade. Aquele vapor que é eliminado que eu já comentei é um potente gás estufa; em entrevista o próprio Patrick confirmou que a energia nuclear é mais cara que a hidrelétrica e que a termelétrica; trata-se de um dos maiores poluidores do mundo em virtude da poluição radioativa; precisa de muita água e não pode ser construida na caatinga ou em um grande deserto; e a prova que depende dos fatores meteorológicos são os contantes desligamentos nas Usinas de Angra. Quem sobrevive com subsídios da industria nuclear, como Patrick, não merece crédito", completou o medico cancerologista.


Desvantagens

Sobre as desvantagens da Usina Nuclear, o médico disse que "há a necessidade de se armazenar o resíduo nuclear em local protegido e isolado; e a necessidade de se isolar a central de poiteira após o descomissionamento; após 20 ou 30 anos de uso esta central nuclear tem que ser desmontada, lacrada e isso, além de caro, é muito perigoso. Isso interfere com o ecossistema porque esses resíduos produzem radioatividade durante anos. Se um rio como o São Francisco for contaminado, por exemplo, vamos esperar 700 milhões de anos. Sem contar que o custo médio para a expansão do sistema hidrelétrico, por exemplo, é menor que o investimento feito em Angra. Essa história de quem vem uma Usina para Sergipe, gerando dois ou três mil empregos e que vai trazer R$ 7 bilhões, deve ser visto de outra forma. O preço que vai se pagar para construir duas usinas nucleares no Nordeste brasileiro daria para garantir a independência energética da nossa região", garantiu.


Acidentes

Dr. William disse ainda que "existem registros de vários acidentes nucleares no mundo. O primeiro deles, em Liverpool, morreram 39 pessoas e, apenas 20 anos depois, que os registros vieram a tona; depois tivemos na Rússia e nos Estados Unidos. Em 1999, um vazamento de radiação no Japão provocou a morte de dois trabalhadores. Ali houve o transtorno de ter que retirar, emergencialmente, mais de 320 mil pessoas que habitavam a região. O governo japonês obrigou o fechamento de 17 usinas por falsificação de licenças de segurança. Na Espanha, em 2008, eu estava lá, a passeio com minha filha e minha esposa, e de repente, fomos surpreendidos com todas aquelas ambulâncias e bombeiros. Foi o maior sufoco que passei e todos ficaram muito assustados".


Outras alternativas

Como outras alternativas energéticas, o médico apresentou fontes renováveis e inesgotáveis. "A usina hidrelétrica, por exemplo, é uma. O Brasil só utiliza 1/3 do nosso potencial. Agora tem que trocar as turbinas, tem que substituir as antigas por novas; tem o biocombustível; tem a energia solar; a energia eólica, que temos um grande potencial; em Portugal há uma tecnologia inglesa que pega o movimento mecânico das ondas e transforma em energia elétrica; o vai-e-vem das marés é uma potente energia e basta transformar em eletricidade; não sei se vamos utilizar esta energia um dia, mas na Noruega, desde o final de 2009, que foi construído um protótipo de energia azul, que segue o princípio da osmose, onde usa-se o mar, rico em cloreto de sódio. Basta colocar uma película entre a água salgada e o rio, que vai se absorver eletricidade entre os átomos e estes serão transformados em íons de energia. E qual o produto final desta usina? Agua!".

Radioretapia

Conhecedor da área, Dr. William enfatizou que Sergipe não precisa de uma Usina Nuclear. "Em primeiro lugar existe uma lei, aprovada por esta Casa, proibindo a instalação destas usinas em solo sergipano; nossos filhos merecem coisa melhor. Trata-se de um assunto que interessa diretamente a população. Precisamos sim é de aparelhos de radioterapia. Mesmo com o investimento de U$ 8 bilhões e com a geração de seis mil empregos, não se encontrará a cura do câncer. O que cura é o aparelho de radioterapia. É um investimento de U$ 1 milhão e Sergipe precisa urgentemente. Eu trabalho na linha de frente atendendo aos pacientes e vocês não sabem o constrangimento...", disse o palestrante que emocionou-se na tribuna da AL.


E seguiu, dizendo que "a tristeza de dizer 'não' a esses pacientes. Não temos condições de atender a 300 ou mais, que morrem dia a dia. O câncer é inexorável! Os casos com estágio 1 ou 2 estão evoluindo para 3 e 4 e aí nós já não conseguimos a cura ou a teremos com grande sofrimento para o paciente e seus familiares", finalizou.


Por Habacuque Villacorte, da Agência Alese

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Adema realiza Workshop sobre Estações Radio Base de telefonia Celular



Renomados pesquisadores e técnicos ambientais estarão durante toda a manhã do dia 15 proferindo palestra sobre temas intrínsecos às estações
12/04/2010 - 08:27

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) estará realizando na próxima quinta-feira, dia 15 de abril, o Workshop de Licenciamento para Estações Radio Base de Telefonia Celular (ERBs). O evento, aberto ao público, terá início às 7h da manhã e será realizado no auditório da Codise.

Renomados pesquisadores e técnicos ambientais estarão durante toda a manhã do dia 15 proferindo palestra sobre temas intrínsecos às estações. Após abertura do evento, a ser realizado pelo secretário do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), que responde também pela Adema, Genival Nunes, haverá a primeira palestra a ser proferida pelo professor José Grimaldo da Silva, que abordará sobre o funcionamento, necessidades e particularidades da telefonia celular.

Os efeitos da emissão de ondas eletromagnéticas provenientes de ERBs no meio ambiente e na saúde humana será outro ponto a ser apresentado pelo professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Renato Sabbatini.

Os aspectos jurídicos sobre as ERBs serão relatados pela especialista em direito ambiental da área, Clénis Farias Silva. Na ocasião, o representante da Anatel, Edilson Ribeiro, irá proferir palestra sobre a Radiofrequência e fiscalização.

Após conclusão das exposições haverá ainda debate sobre todo o bojo apresentado pelos palestrantes, momento a ser realizado pelo técnico ambiental da Adema, Luciano Figueiredo.

De acordo com Genival Nunes o workshop visa dirimir dúvidas e atender o Ministério Público Estadual, uma vez que as instalações das antenas no Estado estiveram provocando algumas dúvidas quanto a sua funcionabilidade em relação à emissão de ondas eletromagnéticas. “O workshop irá fornecer a toda a comunidade alguns esclarecimentos sobre as Estações de Radiobase e de Telefonia”, garante o secretário e presidente da Adema.



fonte: www.infonet.com.br

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Manifesto em segurança da vida! Não! a Usina Nuclear em Sergipe!




Nos últimos dias tenho recebido de alguns leitores, amigos e conhecidos perguntas a cerca de algumas postagens em nosso blog, sobre a minha posição quanto ao tema “USINA NUCLEAR EM SERGIPE”, e até questionamento se cabe a mim, como consultor em segurança tratar do tema. Bem, então vamos lá, gostaria de externar em público algumas preocupações deste consultor quanto ao tema e lembrar que cuidado com a vida de nossos descendentes e do futuro ambiente que eles poderão encontrar é sem dúvida missão nobre, não só destinada aos profissionais da segurança, mas ante de tudo de todo cidadão, e de todo pai de família.

Defender uma idéia deste porte é também expor sentimentos e preocupação. Alertar á uma reflexão do tema é sobretudo contribuir para os que ainda não se deram conta do risco que envolve todo este processo e agir de forma preventiva calculando analisando os riscos envolvidos, até que se chegue a uma resposta satisfatória do assunto, afinal, analisar o risco é também medida de segurança.

Sou contra SIM a essa idéia que infelizmente alguns parlamentares tentam convencer do contrário, citaremos alguns pontos que são de grande relevância:

1. Setembro de 1957 - um vazamento de radioatividade na usina russa de Tcheliabinski contamina 270 mil pessoas. Somente em 1983 o governo britânico admitiria que pelo menos 39 pessoas morreram de câncer, em decorrência da radioatividade liberada no acidente.

2. Dezembro de 1957 - o superaquecimento de um tanque para resíduos nucleares causa uma explosão que libera compostos radioativos numa área de 23 mil km2. Mais de 30 pequenas comunidades, numa área de 1.200 km², foram riscadas do mapa na antiga União Soviética e 17.200 pessoas foram evacuadas. Um relatório de 1992 informava que 8.015 pessoas já haviam morrido até aquele ano em decorrência dos efeitos do acidente.

3. Janeiro de 1961 - três operadores de um reator experimental nos Estados Unidos morrem devido à alta radiação.

4. Outubro de 1966 - o mau funcionamento do sistema de refrigeração de uma usina de Detroit causa o derretimento parcial do núcleo do reator.

5. Janeiro de 1969 - o mau funcionamento do refrigerante utilizado num reator experimental na Suíça, inunda de radioatividade a caverna subterrânea em que este se encontrava. A caverna foi lacrada.

6. Março de 1975 - um incêndio atinge uma usina nuclear americana do Alabama, queimando os controles elétricos e fazendo baixar o volume de água de resfriamento do reator a níveis perigosos.

7. Março de 1979 - a usina americana de Three Mile Island, na Pensilvânia, é palco do pior acidente nuclear registrado até então, quando a perda de refrigerante fez parte do núcleo do reator derreter.

8. 1982 - conhecida popularmente como "vaga-lume", devido às freqüentes interrupções de funcionamento por motivos técnicos, foi inaugurada em Angra do Reis (RJ) a primeira central nuclear brasileira, sob suspeitas de instabilidade geológica e sísmica do local escolhido. Simulações de acidentes revelaram a fragilidade do projeto e a impossibilidade de evacuação dos moradores da região no caso de uma emergência.

9. Janeiro de 1986 - um cilindro de material nuclear queima após ter sido inadvertidamente aquecido numa usina de Oklahoma, Estados Unidos.

10. Abril de 1986 - ocorre o maior acidente nuclear da história (até agora), quando explode um dos quatro reatores da usina nuclear soviética de Chernobyl, lançando na atmosfera uma nuvem radioativa de cem milhões de curies (nível de radiação 6 milhões de vezes maior do que o que escapara da usina de Three Mile Island), cobrindo todo o centro-sul da Europa. Metade das substâncias radioativas voláteis que existiam no núcleo do reator foram lançadas na atmosfera (principalmente iodo e césio). A Ucrânia, a Bielorússia e o oeste da Rússia foram atingidas por uma precipitação radioativa de mais de 50 toneladas. As autoridades informaram na época que 31 pessoas morreram, 200 ficaram feridas e 135 mil habitantes próximos à usina tiveram de abandonar suas casas. Esses números se mostrariam depois absurdamente distantes da realidade, como se verá mais adiante.

11. Setembro de 1987 - a violação de uma cápsula de césio-137 por sucateiros da cidade de Goiânia, no Brasil, mata quatro pessoas e contamina 250. Três outras pessoas morreriam mais tarde de doenças degenerativas relacionadas à radiação. Atualmente, as seis mil toneladas de lixo radioativo resultantes do acidente estão armazenadas em contêineres de concreto, em um depósito de Abadia de Goiás, próximo a Goiânia.

12. Junho de 1996 - acontece um vazamento de material radioativo de uma central nuclear de Córdoba, Argentina, que contamina o sistema de água potável da usina.

13. Julho de 1997 - o reator nuclear de Angra 1, no Brasil, é desligado por defeito numa válvula. Segundo o físico Luiz Pinguelli Rosa, foi "um problema semelhante ao ocorrido na usina de Three Mile Island", nos Estados Unidos, em 1979.

14. Outubro de 1997 - o físico Luiz Pinguelli adverte que estava ocorrendo vazamento na usina de Angra 1, em razão de falhas nas varetas de combustível. Na época ele declara: "Está ocorrendo vazamento há muito tempo. O nível de radioatividade atual é progressivo e está crítico."

15. Setembro de 1999 - Radiação 11.500 vezes acima do nível considerado seguro vazou de uma rachadura em um duto de um reator nuclear em Tsuruga, a oeste de Tóquio. Autoridades disseram que a radiação não atingiu a atmosfera.

16. 2000 - Após quase vinte anos de construção, começou a operar a única concluída das oito usinas previstas, Angra 2. Sua construção foi marcada por problemas técnicos e constantes atrasos no cronograma.

17. Abril de 2002 - a Comissão de Segurança Radioativa do governo ucraniano informou que os níveis de radioatividade em Chernobil estão aumentando. O sarcófago de concreto em que é mantido o que resta de combustível nuclear da usina estaria, inclusive, aumentando de temperatura.

18. Maio de 2004 - uma equipe de especialistas em radiação do Greenpeace iniciou no Iraque inspeções para detectar níveis de contaminação próximo à central nuclear de Tuwaitha, localizada no sul do país. Os ativistas encontraram um contêiner com cerca de cinco quilos de uma mistura de urânio conhecida como "yellowcake" (bolo amarelo) a céu aberto, além de detectarem taxas de radioatividade de até 10 mil vezes acima do considerado normal, em alguns locais.

Vale lembrar que estas observações são de fatos ocorridos e não inventados. Com isso pensar, refletir e agir são ações que podem fazer toda a diferença no futuro dos nossos filhos.

Mesmo com toda a tecnologia e segurança aplicada nas usinas, todas elas são insuficientes diante de um acidente nuclear, não deixe que nos tornemos estatística.
Todo o discurso político de benefício vai sempre ser um mero discurso político em época de campanha eleitoral, e no final somos nós que sempre pagamos o preço, e este preço amigo é muito alto pra todos nós.

Também por isso declaro: SOU CONTRA A INTALAÇÃO DA UNISA NUCLEAR EM SERGIPE!!!!

Viver é a medida de segurança mais acertada.

Elder dos Anjos, Consultor em Segurança


segunda-feira, 5 de abril de 2010

Usinas Nucleares






( Vale a reflexão ampla e seria com toda a sociedade!, Elder dos Anjos )

Londrina (PR) proíbe utilização e venda das "pulseiras do sexo"



A Justiça de Londrina (PR) proibiu a venda e o uso, por menores de 18 anos, das chamadas "pulseiras do sexo". A decisão foi tomada após a Polícia Civil iniciar a investigação do caso de estupro de uma menina de 13 anos que usava os adereços.
Prefeito de Itajaí (SC) também quer proibir "pulseirinhas do sexo" nas escolas
As pulseiras surgiram na Inglaterra e, recentemente, viraram mania no Brasil. O enfeite também é usado em um "jogo". Quem arrebenta o acessório recebe uma retribuição sexual da dona da pulseira. Se ela for roxa, vale beijo de língua; a preta, sexo.

A Folha apurou que há outros seis casos envolvendo o jogo com as pulseiras na cidade, nenhum registrado. A polícia disse que a menina relatou ter sido estuprada por quatro garotos, um deles maior de 18 anos. À polícia ele disse que foi consensual.

O uso das pulseiras também já foi proibido em escolas das cidades de Navegantes e Itajaí, ambas em Santa Catarina. Após as proibições, os prefeitos das duas cidades também afirmaram que seriam feitas reuniões com os alunos, pais e responsáveis para alertar sobre o uso dos acessórios.

da Agência Folha, em Londrina
da Folha Online